quinta-feira, 17 de março de 2016

O tal do gerúndio...

Gerúndio

Forma nominal do verbo, constituída por um gerúndio simples (<andando>) e um gerúndio composto (<tendo andado>). O gerúndio forma-se acrescentado ao radical <ndo, mantendo a vogal temática própria de cada conjugação (<amando>, <correndo>, <partindo>). 
Provém do ablativo do gerúndio latino, que era um substantivo da voz ativa, que supria as formas que faltavam ao infinitivo, pelo que apenas possuía três casos (o genitivo - <scibendi>, o dativo e o ablativo - <scibendo>).*


Provavelmente influenciada pelas novelas brasileiras, o gerúndio para mim é usual. Ainda assim, resolvi procurar na net se esta forma de usar o verbo estava correta ou não e a resposta foi: nim! No Brasil é normal ouvirmos: "o que você está fazendo?" ao contrário de "o que estás a fazer?" mas isso é porque a construção gramatical das frases é diferente. Porém, segundo as minhas pesquisas, o gerúndio também é usado em Portugal conforme as regiões. Na Madeira não é invulgar ouvirmos o "vai-se andado" quando alguém pergunta o nosso estado de saúde. 
Na língua inglesa o gerúndio é usado normalmente (verbo+ing). Por exemplo: what are you doing? when are you coming home? 
Então, porque é que o gerúndio parece tão errado em Portugal, se nos outros países é perfeitamente normal?

*Fonte: http://www.infopedia.pt/$gerundio

25 comentários:

  1. E se fores ao tradutor tentar perceber alguma coisa, é bom que o uses senão ficas a saber o mesmo. Weird!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahaha pois é. O tradutor do google é uma tristeza mas o tradukka até é melhorzinho

      Eliminar
  2. Porque a nossa língua é tão rica que chega a ser assustadora, de tão complicada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade! E com o acordo ortográfico ainda ficou mais complicada!

      Eliminar
  3. O melhor é deixar o gerúndio em alegre pulsação e que seja uma leve presença de sono e esquecimento. Mas não precisamos reverenciá-lo, deixá-lo acontecer acontecendo...

    beijos, Ana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a adaptação da nossa língua José Carlos! Os anos passam e as coisas mudam radicalmente. Se não estivermos atentos, já nem sabemos escrever direito. Beijos

      Eliminar
    2. caso não saibas, não consigas escrever DIREITO compras um caderno de duas linhas, k já não devem existir, para que as tuas letras fiquem niveladas, direitinhas. caso não encontres, escreves TORTO - risos.

      escrever, mais ou menos, corretamente, é o k tu pretendias dizer, mas, e mais uma vez, foste influenciada pelo português do Brasil.

      A LÍNGUA, IDIOMA, NÃO É UMA ENTIDADE MORTA, É VIVA E MUTÁVEL, COMO TAL, RECEBE INFLUENCIAS, com acento circunflexo, DE OUTRAS E SOFRE ALTERAÇÕES AO LONGO DOS TEMPOS. por isso, sou inteiramente, a favor do AO.

      bisous.

      Eliminar
  4. Pois é uma boa pergunta. Pena que eu não saiba responder.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Não sei responder. O que sei é que também sou dada a ele e, sem dúvida alguma, devido ao português do brasil - que absorvi por palhinha quando era criança (TV e Banda Desenhada). Por vezes para apanhar um atalho, uso-o. Outras é já um defeito - não devia usar mas é exatamente aí que uso :P E quando estou com pressa, então sai tudo abrasileirado mesmo :D :D Ou cansada... Cansada também sou acomodada de gerúndios...

    PS: Por cá também se responde: "Vai-se andando...."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahaha ainda bem que o defeito não é só meu! isto da tv é um perigo! Quando damos por nós falamos "delicia", "gostoso" e "bacana" como se fosse normal lol
      Por aqui vai-se andando, e por aí? :)

      Eliminar
    2. Por aqui vai-se indo... rsss.

      Sabes, voltei aos bancos da escola o ano passado. Na sequência da enxurrada de trabalhos que gostam de prescrever, praticamente me forçaram a voltar a fazer diretas (cof, cof, já não consigo).

      Numa ocasião deram-nos 24h para fazer um trabalho e eu que não tinha dormido sequer 2h na véspera lá me esforcei. E sem café! Não bebo café... o mal deve ser esse.

      Escrevi o trabalho - quase sem correcções e o final foi tão a correr que terminei-o meia-hora antes de ter de o entregar. Na minha mente procurei expressões sinónimas para não estar sempre a usar o mesmo termo. Costumo ser boa nisso. Escrevi a conclusão sem reler e toca a correr para a aula. Vai que o trabalho é corrigido na hora... e o final estava cheio de «brasileirices» ahah. Exatamente nas palavras para as quais procurei mentalmente um sinónimo.

      Eu ri por dentro, porque acho piada, sinceramente, que algo que nos influenciou tanto lá atrás fique para sempre presente no discurso. Principalmente quando a mente está fatigada por demais... Ups! Fatigada é brasileiro? nem sei!

      Fica bem.
      PS: mesmo assim tirei a melhor nota - acho que foi porque os outros revoltados com o curto prazo para executar o trabalho, escarafuncharam meia-dúzia de coisas e preferiram dormir, rss.

      Eliminar
  6. olá, menina Ana...

    creio k foste a internet retirar o conteúdo da tua publicação, até a imagem, e fizeste tu mto bem, pke não sendo um meio excelente, é mto diversificado e abundante. há de tudo para todos os gostos. de qualquer maneira, aquilo k transcreveste está correto. foi assim k sempre me ensinaram e eu acredito nos mestres. caso não tenhas usado a net, só tens de desmentir-me, e se pretenderes, referires a fonte onde bebeste, entre aspas.

    além do mais, e na tua anterior publicação, fiz-te um desafio, por brincadeira e pelo à-vontade k contigo tenho, qdo te disse - não te metas comigo em questões de Língua Portuguesa e Gramática, mais ou menos isto, e talvez essas minhas palavras te tenham motivado a ires procurar algo k não é consensual, k é até um pouco polémico e por isso, muitooooooooo interessante.

    qto a tua questão, que nem me parece difícil, ela pode ter várias, variadíssimas respostas e até interpretações. então, vamos conversar...

    o gerúndio exprime uma ação contínua em andamento, presente, passado ou futuro, um processo verbal não finalizado, portanto.

    ex - ele está lendo um livro - ação presente
    ex - ela esteve fazendo um desenho - ação passada
    ex - estará ela pensando em ir a Paris, ponto de interrogação, ação futura

    eu como alentejana, deveria usar gerúndios a torto e dto, e caía no Gerundismo - termo, ou melhor, locução verbal, k só conheço na gramática brasileira.
    desde k vim para Lisboa, ainda na Primária, e devido a chacota, deixei de o usar.
    tu e os açorianos usam o gerúndio, sempre, mas nada ter a ver com a influência das novelas brasileiras ou com a convivência real ou virtual com brasileiros, pke a tua bisavó e avó já o usavam e ainda não tinham chegado a Portugal as novelas brasucas, mas vocês usavam-no, usam-no e usá-lo-ão devido a HISTÓRIA desses arquipélagos, que foram povoados por algarvios, alentejanos e estrangeiros, nomeadamente franceses, ingleses, k usam sempre gerúndios, e belgas. se reparares na pronuncia dos açorianos, verás que o U é pronunciado a maneira dos povos que falam francês. fiz-me entender, ponto de interrogação.

    evidente k há mta gente, em Portugal, a usar expressões como, oi, tudo bem, gostoso, parabenizar, verbo k não existe no Português de Portugal, chamar de, k é um erro de palmatória, devido a influencia brasileira, mas isso é outra história. engraçado k os brasileiros e brasileiras k conheço, e onde moro há dois, querem afastar-se do seu idioma e esforçam-se imenso por não dizer, p exemplo - oi, tudo bem, dizendo para substituição, olá, bom dia, ou boa tarde, conforme o período do dia.

    o gerúndio, pode dizer-se, que é um regionalismo, ou seja, termo próprio e mto usado numa região. se as outras pessoas, k o NÃO usam, o acham complicado, desnecessário, despropositado e provinciano, o problema já passa a ser delas.
    o gerúndio é uma forma nominal k pode mto bem ser substituída por um infinitivo impessoal.

    ex - ela está cantando uma canção é a mesma coisa k dizer - ela está a cantar uma canção. e ponto final.

    qto a questão k colocas dos ingleses ou quem fale ingles usar sempre gerúndios, em 90 por cento dos casos, é assim mesmo, sempre foi, mas não te sei explicar o porque, mas há situações em k isso não acontece e que quem manda é o verbo auxiliar, to be ou to have. o gerúndio, nesses casos, é substituído pelo particípio passado do verbo principal.
    ex - we had sung - nós tínhamos cantado.

    usar-se o gerúndio não é errado em nenhuma região ou país, nem no nosso nem noutro, aliás o Brasil, como aqui já foi referido, usa e abusa dele, tal como no Alentejo e em Portugal Insular.

    Pode parecer, aliás parece, a outras pessoas, um termo estranho, grosseiro, rude e de baixo nível, até, mas O GERÚNDIO NÃO FOI, NÃO É, será, não sei, uma palavra incorreta, gramaticalmente falando, ou que não deva usar, dizer.

    já ouviste e deves conhecer, provavelmente, o provérbio popular k é - cada roca com seu fuso e cada terra com seu uso.

    beijinhos e bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Céu!
      Bem, que testamento! lol
      Não foi por causa de teres dito para não me meter contigo em relação à língua portuguesa (claro levei na brincadeira) que escrevi este texto mas se calhar até está relacionado. Acho que ouvi alguém na tv (já não sei onde) gozar com uma pessoa por ela ter usado um gerúndio qualquer e fiquei a pensar: mas será que é errado mesmo? É que eu uso-o tanto! Vai daí, tive que tirar a duvida na net porque se há coisa que eu detesto, é ter duvidas. Fiquei feliz por saber que não estava a falar errado e pelos vistos não fui tão afectada pelas novelas brasileiras quanto eu pensava (se bem que a falar com sotaque brasileiro ninguém me ganha!) lol
      O nosso país é rico em regionalismos e é isso que o torna tão especial. Nas ilhas então, é quase como se falássemos outra língua e olha que os Açores até têm muitos regionalismos iguais à Madeira. Adoro!
      Bom domingo e descansa muito essa mão!
      Beijinhos

      Eliminar
    2. olá, Ana...

      eu sou uma piquena, entre aspas, k escreve mto, mal ou bem - eu sei k escrevo satisfatoriamente, mas admito k haja quem não goste - e k adora escrever, daí o testamento, ai, cruzes canhoto...

      se fosse, não havia problema nenhum, pke penso que temos estima e suficiente a-vontade, uma com a outra.

      quem gozou com alguém k estava usando, agora sou eu, o gerúndio é pessoa k não tem conhecimento na matéria. pode ter noutras, mas nesta, não mostrou ter.

      continua a usar, pke estás falando e escrevendo, corretamente, digo-te eu, por de-formação profissional.

      gosto, tb, mto de sotaques, embora nem sempre compreenda tudo o que os madeirenses, açorianos e algumas pessoas do contenente - gostaste, ponto de interrogação, dizem, mas não desprestigio, nem faço troça.

      eu digo uma palavrinha ou outra com sotaque brasileiro, mas é mesmo por brincadeira, ora um brasileiro escreveria, é por brincadeira mesmo.

      beijos e boa semana.

      Eliminar
    3. Olá Céu!
      E essa mão que não tem descanso! ai ai!
      Claro que escreves muito bem e não te importes de fazer testamentos porque se há coisa que eu gosto de fazer, é ler. É nos comentários que conhecemos mais as pessoas!

      Não é irritante quando alguém corrige uma coisa que está certa e teima que o errado é o correto? Ai fico doida com isso! O caso da tv é igual ao que vemos por todo o lado. Já aconteceu comigo e de certeza com toda a gente.

      Deixa lá que não são só os do "contenente" a não entender o que dizemos. Eu também não entendo o que toda a gente diz aqui, principalmente em duas zonas da Madeira. Dou por mim a procurar pelo botão da tradução! ahahaha

      Beijinhos e boa semana

      Eliminar
    4. Somos influenciados de muitas maneiras no que respeita ao português falado e escrito. Não é só onde nascemos, mas com quem convivemos - que vai influenciar bastante. A escola e a sua capacidade de leccionar é outra influência. E mais tarde ainda surgem os círculos de amizades. E o «vírus» que é o calão... Eu quase não o usava, porque só o conheci tarde. Mas a verdade é que tudo acaba misturado e muda a forma de nos expressarmos a menos que a exposição a influências ao «purismo» da língua seja diminuta ou surja em maior quantidade só mais tarde.

      Adoro que cada qual tenha o seu jeito. Mas sou pouco alerta para as diferenças, o que é curioso. E o que me faz má aprendiz para línguas, sotaques e afins.

      Só lamento é que o meu inglês, outrora perfeito na escrita e na fala, tenha-se deteriorado. Cada vez dou mais erros e sou mais esquecida :P Mas gosto de sotaques, regionalismos, é enternecedor :D

      Eliminar
  7. Ana,

    faltam acentos e alguma pontuação, mas já sabes k isso se deve aos problemas da minha mão dta.

    retificando - ou que não se deva usar, dizer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem problema. Ainda muito fazes com uma mão só :)

      Eliminar
  8. Pois eu não sei responder à pergunta!

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. tenho de pedir-te desculpas, pke tu indicaste a fonte da tua publicação. só agora reparei.

    kisses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é preciso pedires desculpa. Eu só coloquei a fonte depois de ler o teu comentário porque tinha esquecido completamente lol
      Kiss kiss

      Eliminar
    2. OBRIGADA PELA SINCERIDADE. NOTA 21.

      BAISERS.

      Eliminar