sexta-feira, 10 de março de 2017

Isto é um bocadinho constrangedor...

...mas como dizia a Amália: não me lembro, não me lembro!

O meu reencontro virtual com os antigos colegas de escola foi no mínimo curioso. Alguns mudaram tanto fisicamente que ficaram irreconhecíveis. Ok, já se passaram 20 anos, as pessoas mudam mas algumas mudaram demais. Uns engordaram, outros emagreceram, ficaram mais velhos, mais feios ou mais bonitos até. Eu, consigo ser reconhecida facilmente porque não mudei muito. O pior é aqueles que não reconheço nem de cara nem de nome mas teimam que me conhecem. E depois lá vem a pergunta do costume: lembras-te de mim?
E eu sem saber o que dizer.
Lembras-te de quando aconteceu isto e aquilo? E eu nada.
Aconteceu-me isso com uma suposta colega de escola. Ela a teimar que me conhecia, quase a implorar para eu dizer que sim e eu só respondi: lembro-me... vagamente... (foi o melhor que consegui para não contrariá-la publicamente).
Já a ficar com uma dor de cabeça daquelas, porque tentava por o tico e o teco a trabalhar e nada... até que... ela conta uma historia que nunca aconteceu e mais outra e mais outra.
Respirei de alivio porque já estava a pensar com os meus botões: prepara-te mulher. Do jeito que isto está, qualquer dia vem o alzheimer! (e eu tenho pavor dessa doença).
Afinal não é a minha memória que enferrujou. É que no meio dos meus colegas de escola, apareceu uma completa desconhecida que inventa histórias para armar-se em defensora dos fracos e oprimidos. Ou então é só uma mentirosa compulsiva. Nunca vi tal coisa mas quero distância.